William Santos é colunista do Jornal O Debate e apresentador do Programa Top da TV Band Maranhão.

Escritoras maranhenses discutem machismo na literatura em evento internacional

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

Apesar das inegáveis conquistas das mulheres que nosso tempo testemunha, o campo literário continua sendo um espaço de intenso predomínio masculino: são os escritores homens que ganham prêmios, que assumem posições de destaque nos grandes eventos e cujos nomes frequentam a lista das melhores obras de todos os tempos.
Foi discutindo esse tema na Feira Literária de Paraty de 2017, que grandes escritoras brasileiras, como Maria Valéria Rezende e Conceição Evaristo, tiveram a ideia de reunir suas companheiras de ofício para mostrar a força da produção feminina. Foi assim que, em 2017 surgiu o coletivo literário Mulherio das Letras, reunindo mais de sete mil mulheres ligadas a cadeia criativa e produtiva do livro, como escritoras, livreiras, editoras, críticas, ilustradores, etc.


Sempre questionando o lugar da mulher na literatura, o coletivo cresceu, ultrapassou as fronteiras brasileiras e fincou raízes na Itália, nos Estados Unidos e em Portugal, país que promove, entre os dias 25 e 28 de setembro, o II Encontro Mulherio das Letras Portugal
Convidadas pelo Mulherio português para conduzir um painel de debates, as escritoras maranhenses Lindevania Martins, Anna Liz e Heloísa Sousa estarão discutindo no dia 25 de setembro, as 09 horas no Brasil e às 13 horas em Portugal, formas de resistência e enfrentamento ao machismo na literatura contemporânea.
A escritora Lindevania Martins, que além de poeta e prosadora é defensora pública atuando na defesa da mulheres e população LGBT, afirma: “A violência contra a mulher também ocorre no campo cultural quando ela tem seu trabalho criativo ignorado, menosprezado ou apagado em razão do seu gênero. O caso de Maria Firmina dos Reis ilustra bem esse apagamento. Ela permaneceu durante décadas no esquecimento, apesar de ser a primeira romancista do Brasil, e somente em nossa época, questionadora do lugar das mulheres na sociedade e na cultura, que Maria Firmina teve o devido reconhecimento pelo pioneirismo e pela qualidade de sua obra. Essa violência desencoraja as mulheres artistas a criar, empobrecendo o mundo de todos, e precisa ser superada”.


Heloísa Sousa, autora do romance “Laura”, lembra de uma outra escritora brasileira notável também relegada ao ostracismo: “Nísia Floresta atuou como jornalista, tradutora, escritora e poeta. Injustamente esquecida, foi uma das primeiras a introduzir o feminismo no Brasil e a mostrar que a opressão de mulheres não deveria encontrar um campo tão fértil, pois não há um gênero superior ao outro”.
Anna Liz, autora de vários livros e presidente da Associação de Escritoras e Jornalistas Brasileiras, seção Maranhão, é contundente: “Mulher não é objeto, nem enfeite. Também quer falar sobre literatura, política e artes visuais. Quer ser elogiada por sua competência e capacidade, não pelas suas pernas. Está na literatura porque a literatura é lugar de mulher. Ao mundo, resta preparar-se. Porque a força feminina é grande”.
Adriana Mayrinck, coordenadora do Mulherio das Letras Portugal, explica que o evento, que teria lugar na cidade de Lisboa, em razão da pandemia de coronavírus, ocorrerá através da plataforma virtual do Facebook e contará com a participação de vários coletivos lusófonos, contribuindo também para o fortalecimento da literatura em língua portuguesa.

2 respostas

  1. Sucesso quanto aos objetivos e a todas como escritoras. Meu carinho especial a Heloísa Souza, não pela amizade que nos une, mas por Laura, a sua extraordinária criação!

  2. Tenho uma verdadeira admiração pelas escritoras, pois elas conseguem colocar no papel, sentimento, realidade e sensibilidade

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *